segunda-feira, março 2

Surfwise.

Por 25 anos, Doc Paskowitz, sua mulher e os nove filhos viveram num motor-home de 8 metros, correndo atrás de ondas perfeitas em comunhão familiar. Eles brigaram, passaram fome, não se adequaram ao “mundo real” mas sobreviveram para contar sua história no cinema.

A revista Trip deste mês, já nas bancas, apresenta um belo material dessa família que respira surfe. O filme Surfwise foi lançado no ano passado, porém ainda não chegou por aqui.

Trechos da matéria:

A primeira família do surfe cruzou os Estados Unidos, o México e o Hawai vivendo quase sempre no aperto e não apenas no sentido literal, em vários momentos eles sofreram com a falta de comida, água, dinheiro e roupas quentes.

“...Eu dediquei quase toda minha vida ao surfe. Comecei com 11 anos e continuo surfando aos 87. Conheci os maiores surfistas de todos os tempos, de Duke a Kelly Slater. Me sinto pequeno em comparação a eles, e acho que não mereço um filme. Minha esposa e meus filhos me convenceram a participar, mas não pretendo vê-lo...”.Doc.

Antes de ser Doc, a lenda do surfe, ele foi o doutor Pascowitz, médico que se formou em Stanford nos anos 40, mudou-se para o Havaí e na década seguinte, casou e se separou duas vezes e pensou em ser governador. Até que um dia decidiu que já era o suficiente. Sem apego pelo acúmulo de dinheiro ou de status social, ele deixou tudo para trás.

No documentário, alguns dos filhos queixam-se abertamente do fato de não se sentirem “equipados” para viver o “mundo real” a partir do momento em que decidiram sair das asas dos pais.

Ao longo da jornada de um quarto de século no motor-home, Doc sempre teve o apoio incondicional da mulher. “...Estava apaixonada por ele, e ainda estou. Nunca quis abandonar o navio. Meu maior motim foi comer escondido com as crianças um ou outro pedaço de torta..."Juliette.

Aos 87 anos, ele só tem dinheiro guardado para viver os próximos dois meses e está sem aquecimento em casa. Aproveita para fazer propaganda de seu último livro, Surfing and Health, na esperança de pagar o futuro aluguel. Mas ele diz que não pretende mudar seu estilo de vida.

"Outro dia um milionário me disse: Eu queria ter filhos como os seus. Eu não devo estar tão errado assim." Doc.

5 comentários:

Anônimo disse...

This is surf culture.Good Luck Mr.Borges.Tanks God.Aloha Always
Castro

Anônimo disse...

ótima matéria MB. esse no surférias será prime. que história de vida no surf e nomade. animal..abraço
ferrinho

rafilsks disse...

altos video! sem surf essa semana na ilha não dá nd, ainda to empapuçado daquelas em itapira na 4º de cinzas.... falo!

Maurio Borges disse...

Valeu Castrinho e Ferro. Itapirubá na quarta de cinzas realmente estava divertido. abraços. MB

Hugo Castro disse...

Está aí retratado o mais puro "surf life style"... que lição de vida!