segunda-feira, dezembro 17

Visual mas sem astral...

São 22h50 aqui no Brasil. Tarde de sol e ventos fortes na ilha de Oahu. Hobgood consegue pegar um dos poucos tubos em Off The Wall nesse último dia de confrontos do Billabong Pipeline Master.

Neco acaba de sair d’água derrotado por Taj Burrow em mais uma bateria sem muita empolgação. Ainda bem que o “Cabeção” conseguiu assegurar sua vaga ao varar as primeiras fases quando o mar ainda apresentava uma condição menos deplorável.

Não deve ser fácil decidir toda uma temporada, quem sabe toda uma carreira, acertos com patrocinadores, futuros contratos, em ondas balançadas de 3 a 4 pés, irregulares e ao sabor dos ventos. Essa nada mole vida de surfista profissional(!).

Daqui a pouco sai o campeão dessa tradicional competição que chega a sua 26ª edição, dessa vez sem muito brilho. O Pipeline Master já viveu dias melhores. A minha sensação daqui, de longe, via internet, é que todos por lá estavam muito afim de se mandar pra casa. Até a transmissão tá chata e caindo a todo instante.

O sono bateu. Tô indo dormir. Amanhã fico sabendo quem levou. Depois é só esperar pelo texto do Julio lá no Goiabada...

3 comentários:

Samuca disse...

Po Maurio, queria ver aquela "pauliceia desvairada" que criticou a tua participação nas transmissões do WQS de Itajaí diria desse Zé Paulo. O cara só sabia falar "aí, aí...". Sem falar no corte das imagens, som e quedas. Ahh, e as ondas também. Acho que o pé frio da história é a Billabong, porque nenhum campeonato deles deu onda este ano. Ainda bem que largaram o osso na nossa etapa aqui da Vila. Por isso que rolaram altas este ano. Abraço e Feliz Natal

Rafael disse...

Ainda bem que a decisão do WCT foi aqui no Brasil (Altas ondas na Vila), pois se fosse nessa etapa de Pipeline, a galera iria ficar ainda mais decepcionada.

A Natureza as vezes apronta!

Uma pena...pois todos queriam ver o brilho de Pipeline

Jefferson Lopes disse...

O novo formato de competição só agradou os competidores, porque o público ficou a ver navios. Nem os locutores se entendiam sobre notas e resultados de baterias. Os calhordas ainda largaram só imagens em baixa resolução para nós, falantes da língua portuguesa. Pelo jeito, a última jóia da coroa era falsa, mesmo assim Bede Durbidge reforçou a hegemonia australiana em 2007.