quarta-feira, setembro 16

Rob, Jihad e outras inquietudes.

O cabeleira xodó da mídia americana e queridinho dos editores das revistas brasileiras – com direito a recentes matérias especiais tanto na nova Hardcore como na velha Fluir em fotos “arrumadinhas cirurgicamente” para vender o estilo cool Rob Machado de ser, seja deitado num “soninho providencial” no trilho do trem, ou todo sujo de lama na Indonésia e até mesmo sentado solitário no Peru – fez estragos no evento do seu patrocinador que começou essa semana na califa.

Depois de vencer Taj na repescagem nas marolas de Trestles, carimbou o passaporte para fase seguinte ao mandar Parko pra casa antes da hora. A essas alturas o careca que já estava nas oitavas, assim como Mineiro e Heitor, sorriu e agradeceu.

Jihad é um capítulo à parte. Suas atitudes impensadas de outrora ainda refletem proporcionalmente nos seus resultados. Não arrumou nada até agora no tour e suas performances bizonhas (como na etapa do Tahiti onde acelerava na parede da onda e corria dos tubos como o diabo da cruz) foram dignas de incredulidade geral.

Nessa etapa em Trestles o paranaense foi literalmente garfado, na cara dura, em sua estréia, muito embora sua performance tenha ficado abaixo do esperado e com o confronto amplamente dominado pelo havaiano Patachia. Mas de qualquer forma suas notas foram vergonhosamente achatadas. No dia seguinte sucumbiu aos mesmos juízes que não demonstraram dó nem piedade e o empurraram ladeira abaixo no ranking.

Não morro de amores pelo Jihad, porém torço para que ele consiga sair desse péssimo momento. Acho também que o brasileiro que nos últimos anos andou muito mal assessorado, precisa urgentemente e até acho que já passou da hora, rever seus conceitos, mudar sua linha no surfe, refazer suas pranchas e principalmente contratar alguém com experiência e credibilidade no meio para que redirecione a sua carreira de surfista profissional.

É o karma!

7 comentários:

gunomendes disse...

Oi Maurio,
Rob despachou TAj, e não o Finning.
Valeu.Abraço

Julio Adler disse...

Amizade,
conserta ai, Rob abotoou o paleto do Taj, não do Fanning.
Abrazzo
Julio

Maurio Borges disse...

Claro, claro, pensei Taj e na hora de escrever, digitei Mick. Acontece.
São os sinais do tempo. É que o meu hardwear precisa ser resetado...

Rob despachou, abotoou o paletó, eliminou, ganhou, triturou o Taj e não do Mick.

Agora sim, posso ficar em paz.
Que Deus abençoe todos vocês.

MB.

Sandro Murara disse...

Grande Maurio, explica melhor essa do Rob machado estar "... sentado solitário no Peru.". Caso voce prefira deixar pela livre interpretação, fazendo um link com as longas madeixas do dito cujo, podemos emendar com aquela musiquinha: "olha a cabeleira do zezé (ou seria rob??), será que ele é, será que ele é???"
Sabe Maurio, eu também as vezes me surpreendo comigo mesmo, de onde eu tiro certas idéias, hehehe. E viva o bom humor!!! Abraço.

Anônimo disse...

Eitcha, o mano vortou em grande forma literárius. Esse é o barriga verde q conheço.
Abçs e saúde.
Castro

Ricardo Macuco disse...

Grande Máurio, soltando o verbo. Visitinha frequente ao blog, com certeza.

Abco

Macuco

jefferson lopes disse...

Concordo com tudo que disseste, menos que os juizes garfaram o Jihad. Ele teve o que merecia, pelo pouco que surfou. A seleção de onda dele é (ou tá) horrível. Essa escola de um pico conhecido pelo nome sugestivo de "Matinhos" marca o indivíduo pelo resto da vida...