quarta-feira, setembro 23

Deixe as imagens falar.

Figue, um exemplo.



Entre 88, 89, organizei e patrocinei um sulbrasileiro de surfe. Era uma época maravilhosa. Vivia pra cima e pra baixo nos campeonatos e paralelamente tocava a minha a marca “Fluxo” em sociedade com um grande amigo e também engatinhava como surfe-repórter na rádio Musical FM aqui em Florianópolis (que depois virou Transamérica Fm) – mas isso é uma outra história.

Como ia dizendo, foi nas férias de julho (numa friaca danada) que o 1º Fluxo Surf Co rolou. Foi um campeonato que reuniu alguns dos melhores surfistas amadores da época. De Santa Catarina despontavam André Barcelos, Evandro dos Santos, Fábio Carvalho, Roni Ronaldo, André Faria e André Huebes. Do Paraná vieram alguns bons valores comandados pelo Leandro Grilo Breda e a gauchada também baixou em peso.

Lembro que o campeonato aconteceu com altas ondas num fim de semana cinzento e chuvoso. Talvez tenha sido o campeonato com as melhores condições que já promovi nesses anos todos.

A Joaca quebrou de gala, nos dois dias, com ondas de até 1,5m tubulares para os dois lados e coroou o sucesso desse primeiro, único e último Fluxo Surf Co.

Agora é que vem a história:

Alguns gaúchos que vieram competir sem muita grana acabaram improvisados numa barraca montada ao lado do palanque. Minha casa já estava cheia, mas mesmo assim ainda consegui arrumar, dentro do possível, mais alguns lugares (no chão do meu quarto) para apavoro da velha Landa (minha mãe), que teve que correr até o supermercado e preparar um reforço no jantar para a turma que chegou sem avisar.

Rodrigo Pedra, seu irmão Fogo, Sandro Neto e o Cupim, foram os gaúchos que receberam uma guarita na faixa. Ficaram lá, apertados na tal barraca, o Cláudio, seu irmão Elias, o Figue, e mais uns dois malucos.

Na madrugada o céu caiu. Choveu e ventou forte. Na manhã de domingo, dia das finais, a raça da barraca “amanheceu” dormindo dentro do palanque (aquele antigo de madeira fixo nas dunas da Joaquina) no maior alto astral.

Sei dizer que o campeonato rolou e acabamos fortalecendo nossa amizade com a gauchada da nova geração. Sempre que nos encontrávamos nos campeonatos amadores tínhamos boas histórias pra contar e muitas risadas.

Num desses campeonatos, soube do acidente com o Figue (e que ele havia infelizmente perdido a visão). O tempo passou e só nos reencontramos, muito rapidamente, durante a primeira edição do Maresia International Surfe - etapa do WQS na Praia Brava de Itajaí. Figue estava envolvido numa ação com a operadora VIVO e ministrando aulas de surfe para deficientes visuais.

Lá do alto do palanque pude assitir a performance do Figue ao botar a prancha na parede de uma onda cavada, buraco, com um drop relativamente difícil, que é bem a característica das ondas na Brava. Conversando com o Luli e com o João, soube que ele havia depois de um longo período voltado ao surfe e que estava novamente muito feliz.

Agora encontro essas imagens lindas do Figue, em pleno rip e botando pra baixo nas ondas de Balneário Camboriú.

Nem sei o que dizer. Aliás, as imagens dizem tudo...

14 comentários:

Guno Mendes disse...

Pô Maurio, transmissão de pensamento! Acabei de acessar o teu blog para retribuir a visita e o comentário e me deparo com esse post do Figue, irmão do Claudio q aliás é meu cunhado. A pouco tempo o Claudio contava essa história q vc acaba de narrar...muitas gargalhadas. Acho que vc não vai lembrar de mim, mas foi justo nesse WQS na Brava(Itajaí) que conversamos sobre a galera "das antigas" de B. Camboriú...André Huebes, James Santos(e o Denis!Q vc patrocinava)entre outros. Boas recordações desse tempo.
Parabéns pelo blog, visito com frequência. Inclusive o seu blog, o Goiabada(Julio Adler)e o Surf E Cult(Luciano Burin)são referência e fontes de inpiração para mim.
Grande Abraço
Guno

Hugo Castro disse...

Pow é no teu blog é no surf4ever... eses ultimos posts de vcs só pra "derrubar" o cara pow!!

hahahah

emocionante.. mto bom.. que exemplo, demais mesmo... tem nem o que comentar... só aplaudir.

tobias alencastro disse...

porra sem palavras
to aqui 2 e 40 da manha de bobeira
pensando que eu ja deveria estar na cama mas algo de bom tirei dessa madrugada
a gente reclama e se acomoda com cada coisa pequena na nessa vida e o cara da um tapa na cara da realidade mesmo... fazendo oque parece impossivel...
é isso aii
inspirador

Tora disse...

Nossa, que exemplo. Sem palavras.

Abraço

SurfOnLine disse...

Sensacional. Um grande exemplo. Já assisti duas vezes cada vídeo e to aqui tão amarradão quanto o figue deve ficar a cada onda surfada. Um puta exemplo e uma grande visão do Figue. Como já dizia muito bem o Millor Fernandes, O pior cego é aquele que não quer ouvir. Parabéns pro Figue e para a sua família e parabéns a você, Maurio.Como disse muito bem o Hugo Castro, não tem nem que comentar... só aplaudir.

Anônimo disse...

Porra, esses bixos (Fig e Claudião)moram no meu coração e ensinam muito.São positive vibrations. Eles estão na minha obra.Até no Fantástico pintaram.Valeu a remeber galego.
Castro

Julio Adler disse...

Todos temos (boas) lembranças daqueles 88s e 89s que viraram nuvenzinhas lá dentro desse baú sem fundo que se chama memória.
Quem não queria ter essa força inacreditavel do Figue ?
É o nosso Demolidor, de roupa de borracha preta ao inves do uniforme vermelho.
Grande texto e maravilha de videos
Abrazzo
Julio

DSC disse...

sem comentários....e neguim reclamando da vida....

Luciano Burin disse...

Visão Superior... este vídeo é a prova de que o surf é realmente puro instinto. Parabéns ao Figue, aos realizadores e a todos que ajudam a divulgar exemplos de vida positivos e inspiradores como este.
abs,
Luciano Burin
www.surfecult.blogspot.com

Surf4ever disse...

Maurio, eu acompanho o Alohapaziada quase desde o começo, e na minha opinião esse é o melhor post que já vi aqui. Conseguistes unir uma maravilha de texto baseado em momentos importantes da tua vida, escrevendo de uma maneira peculiar que só tu sabes, a um dos melhores documentários que já vi em minha vida. No começo desse mês, quando tu ficastes uns bons dias sem postar, trocamos uns e-mails e transcrevo aqui tua frase: "Ando ultimamente apurrinhado, sem a mínima vontade de escrever no blogue. Até tenho algumas idéias, mas quando sento em frente do computer, não consigo associar as idéias. Tá bem complicado." Para a alegria da rapaziada que frequenta aqui, a aporrinhação certamente passou e foi coroada com um post que quebrou a vala. Eu já tinha visto matérias sobre o Figue, mas esse documentário é sensacional. Vai ganhar prêmios internacionais, pode ter certeza. Sei que esse meu comentário tá virando um livro, mas tô faz quase uma hora dessa noite de quinta com o teu blog aberto, assisti duas vezes e tô emocionado com essa obra. Arrepia e lá pelos 6 minutos do segundo vídeo as lágrimas escorreram nas duas vezes. Finalizo com a frase da mãe dele, que fui obrigado a transcrever: "Eu gosto que ele faça yoga, eu acho que deu mais segurança pra ele, assim, é segurança de saber o que ele quer, saber que ele pode fazer, mas eu acho que o que faz mais bem pra ele, é... o surfe, é a vida dele, é o... é o alimento dele, sabe?" Obrigado, Maurio, e um grande abraço,
Gustavo

Zé Augusto de Aguiar disse...

porra, maurio, hoje era um daqueles dias que eu levantei, e tentava trabalhar, escrever, mas não tava dando, pois a vida não anda fácil. mas aí fui lá no surf4ever e o gustavo falou do que você postou aqui, e caraca, meu irmão, que puta história! que beleza de exemplo do figue. cara, obrigado pela força indireta, e segue procurando histórias como essa. e cara, precisamos marcar uma reunião, eu, vc, o gustavo, alguns outros, tá na hora de pensarmos em algo pra gente se unir. um ondas brasileiro? uma revista virtual? de papel? cara, tenho certeza que faríamos algo diferente de tudo que está por aí. puta abraço, e semana que vem, pode ter certeza que o tema da minha aula de redação na escola vai ser esse videozinho do figue, a molecada vai escrever inspirada! abraço, zé augusto

Anônimo disse...

Aloha Barriga Verde!!!!
Caracas..os bixos tão descobrindo, tua veia escriba, sei de muitos por aí,tomara q aflorem como tu.E deixa de ser mole,Deus te proveu c/isso,usa!!!
Castro

Fabrício Lomba disse...

Cara, pirei vendo os vídeos.
Surfava com o Figue em Torres nos anos 80, e apesar de ser de Capão e não não ter muito contato com ele, sempre me tratava como amigo, numa época que rolava um stress com quem não era de Torres. Lembro um banho com temporal no Alfred que caimos só eu e ele numa friaca de julho de 87, pegamos altas e voltamos de noite, dando risada dos trovões e com a cabeça feita.
MUITA LUZ IRMÃO, VC ENCHERGA MAIS QUE TODOS NÓS, POIS VÊ COM A ALMA.
BOAS ONDAS, TÁ SURFANDO MAIS QUE MUITA GENTE.
PARABÉNS TAMBÉM AO AUTOR DO VÍDEO E A VC MAURIO POR COLOCAR ESSE POST.
ALOHA.

Anônimo disse...

Maurio buenas, tenho varios primos ai em itajai moro no pr e fiquei emocionado em ver a historia do Fique, putz que lição, parabens pelo material, ja estou passando para varios amigos, que lição!!!! victor werner shtorache