segunda-feira, junho 9

Parceiro chega aos 100 mil...

Em maio de 2005 meu carro foi roubado. Era uma Paraty 99, branca, inteirinha, único dono, em perfeito estado de conservação. E olha que isso não é papo de vendedor não. Uma semana antes havia trocado a suspensão, os amortecedores e os 4 pneus. Larápios a levaram da frente do meu apê, por volta da uma hora da tarde enquanto almoçava, em plena luz do dia sem que ninguém visse nada. Encontrei somente a carcaça no dia seguinte. Mesmo sem carro continuei pagando as melhorias feitas. Sem dinheiro e sem carro foi um período de total dureza...

Como não tinha seguro, a saída foi se enforcar (literalmente) e comprar um novo carro em 60 suaves prestações. O talão com as mensalidades do Palio aumentaram, em muito, o volume do meu travesseiro. Foram tempos difíceis. Ontem, domingão, a quilometragem do Palio chegou a 100 mil, aliás, muito bem vividos. O marcador virou para 100 mil em alto estilo, bem no estacionamento da praia Mole, parecia querer comemorar. Agora com seguro total vou pra tudo quanto é lado. Na verdade quando se pensa que está tudo perdido de repente as coisas mudam. É a velha luz no fim do túnel. Nada como o tempo...

2 comentários:

jefferson lopes disse...

Eu também tenho estas "relíquias" em forma de revista de surfe, todas guardadas com carinho (alguns anos até estão encadernados como livros). Tirando a babação dos atletas do eixo Rio-São Paulo, que era evidente naqueles magazines, elas foram veiculos importantes na divulgação do esporte naqueles tempos fluorescentes. Entre as musas que estamparam as páginas dessas revistas, além de Monique Evans, podia-se ver a Ana paula Arósio, a Norma Dubgras, Dora Bria e até a Paula Burlamaqui. Oh, tempo bom aquele...

Anônimo disse...

Nada como festejar uma vitória, não meu qirido!!!E vc já tá na ativa legal, apesar dos klm rodados.Nada como um dia após o....
Abçs malaco e saúde
Castro